Oi meus amores! Como vão vocês?
Demorou, mas vim trazer meu relato de parto. Pra aquelas que já são mães entendem a minha demora em postar rsrs pras que ainda não são, logo entenderão rsrs
Brincadeiras a parte, o parto é uma das fases mais temidas na vida de uma nova mãe. O que é normal, afinal, tudo que é novo gera aquela ansiedade e medo também. Comigo não foi diferente, até porque meu histórico clínico por conta da endometriose, me deixava mais ansiosa e indecisa sobre a via de parto. Às mamães de primeira viagem que estão lendo esse relato, meu intuito não é desencorajá-las a ter um parto normal, até porque esta é a via mais saudável pra mãe e pro bebê também, além da recuperação que não se compara a uma cesárea, que requer cuidados e repouso, o que é bem difícil fazer no caso de alguém que acabou de dar a luz. Essa é apenas minha experiência e as decisões que tomei baseadas nas minhas necessidades no momento.
 A princípio queria normal, mas com o passar dos meses, vi que o Théo era um bebê bem agitado na barriga, e ouvi muitos relatos de mães que tentaram normal e na hora o bebê ficou "atravessado" na barriga e elas tiveram que fazer cesárea, ou seja, sentiram as duas dores, e eu não estava disposta a passar por isso. Sei que muitas ao lerem isso vão me criticar, mas cada uma sabe até onde vão seus limites. Outro fator que me fez voltar atrás no desejo de ter normal, foi que geralmente meninos são maiores, e nos ultrassons isso se comprovava no meu caso. Porém, ficava aquele receio das aderências, devido a cirurgia que fiz por causa da endometriose há dez anos atrás. Mas por fim acabei optando pela cesárea, que foi agendada para o dia 09/06
No dia 30/05/2018, por volta das 21:30 comecei a sentir umas dores que pareciam "vontade de ir ao banheiro"... porém nada acontecia quando eu ia. Fui dormir, mas essa "vontade' ia e voltava, com uma dorzinha mais forte a cada vez...no começo era só uma dorzinha chata, que a gente nem considera dor, mas depois foi aumentando, daí é claro, desconfiei: estou no começo do trabalho de parto. Nisso já eram umas 2 e pouco da manhã. Fomos ao PS aqui da minha cidade e ao ser examinada, estava com dois dedos de dilatação. Como ia ter o bebê em uma cidade vizinha, o médico disse que eu podia ir de carro mesmo, sem pressa, que ainda ia demorar uma horas pra ele nascer. Voltei em casa, as coisas já estavam todas organizadas, afinal eu já estava entrando na 40° semana,e fomos pra maternidade. Porém as dores já estavam mais intensas e menos espaçadas.
Chegando lá, ao ser examinada, já estava com cinco dedos de dilatação, e o médico me aconselhou a tentar normal, porque estava dilatando bem rápido,mas eu já estava bem decidida e não quis. Por fim, chegando a hora de ir pra sala de cirurgia, ja estava com sete dedos de dilatação, e as dores já estavam bem insuportáveis pra mim. 
Fui pra sala de cirurgia, aquele ar condicionado gelado me fazia tremer mais do que já estava tremendo por causa do nervosismo. Tentaram me aplicar a anestesia 2 vezes não conseguiram por causa dos tremores. Daí veio uma enfermeira anjo que me abraçou, falou comigo me acalmando e cobriu meus braços pra que eu não sentisse frio. Uma pausa aqui, porque quando um profissional dá um tratamento humanizado ao paciente, é outro nível e faz toda diferença na vida de quem está ali numa mesa de cirurgia. Isso é amor a profissão e ao próximo, coisa rara hoje em dia, e tive o privilégio de vivenciar esse atendimento. Voltando ao relato, a anestesia enfim deu certo e correu tudo bem no restante da cirurgia, não senti nenhuma dor, graças a Deus, nem durante, nem depois. Como eu já estava em trabalho de parto, foi tudo bem rápido e me aliviou muito saber que ele já estava maduro suficiente pra vir ao mundo e que não deixou de ser no tempo dele.
A melhor hora, é claro, foi ouvir o chorinho e ver o rostinho dele. Nenhum momento da vida supera este, é coisa de Deus mesmo, você tem uma certeza muito grande que só Ele pra gerar um milagrezinho desse dentro de você. É uma sensação indescritível.
Logo fui pra recuperação e me trouxeram ele. Meu leite logo desceu, fui bem desajeitada pra amamentar a primeira vez rsrs, mas tudo é uma adaptação de ambas as partes. O importante é que ele recebeu o colostro, que faz toda diferença pra saúde  do recém nascido. No dia seguinte recebemos alta; voltamos pra casa gratos a Deus por estarmos bem.
Porém, aí começa uma nova etapa, bem desafiadora e que requer da mãe e de quem vai ajudá-la, muito amor. A extero gestação. Trago um próximo post falando mais detalhes sobre.
Espero que este simples relato tenha te ajudado de alguma forma. Pelo menos eu, amava ler sobre, parece que a gente sempre se identifica com alguma coisa.
Segue click bem particular ( que agora não é mais rsrs) do nascimento do Théo ♡ 
recém nascido 2018

recém nascido 2018
Deus abençoe e até o próximo post!
Deixo aqui meu convite pra que acompanhem também nas outras redes sociais :
Fan Page: Estilo Mulher Virtuosa | Instagram:  @estilomulhervirtuosa

Deixe um comentário